Nos passados dias 26 e 27 de Janeiro estivemos em Lisboa na Conferência Internacional “Love synapses – building strong children, families and communities”, organizada pela Fundação Brazelton/Gomes-Pedro, e gostaríamos de deixar aqui algumas notas desses dias inspiradores.

A conferência contou com um excelente painel de oradores, desde médicos, investigadores, artistas, educadores, bem como com uma audiência ampla e diversa. Enfim, uma vasta comunidade junta pelo avanço das Ciências do Bebé e da Família e, obviamente, por uma sociedade com mais informação, respeito e tolerância.

A abertura esteve a cargo do Prof. João Gomes-Pedro, obviamente a inspiração para toda a conferência. Este médico pediatra, grande sonhador, Professor Catedrático Jubilado da Universidade de Lisboa e Presidente do Conselho de Administração da Fundação Brazelton/Gomes-Pedro para as Ciências do Bebé e da Família deu o mote para uma conferência profundamente enriquecedora.

Depois tivemos o prazer de ouvir o Prof. Charles Nelson, da Harvard Medical School e do Boston Children’s Hospital que, embora trabalhe com temas tristes (nas suas palavras), nos presenteou com uma palestra espectacular em que explicou como as experiências exercem o seu impacto no desenvolvimento do cérebro. Falou de biologia dos períodos sensíveis no bebé, de vinculação e das consequências a curto e longo prazo da exposição a eventos adversos na primeira infância.

De referir que o Prof. Charles Nelson tem dedicado uma parte substancial da sua carreira a estes temas, estando envolvido num dos principais estudos a nível mundial –sobre bebés institucionalizados em Bucareste – responsáveis pelas descobertas científicas de como a negligência nos primeiros meses de vida tem um impacto absolutamente assustador na arquitectura do cérebro e na saúde mental ao longo da vida.

Aqui fica um vídeo que foi mostrado na sua palestra e que pensamos resumir muito bem os temas mencionados.

Em seguida falou-nos a Dra. Marta Moita, Investigadora Principal do Programa Champalimaud de Neurociências da Fundação Champalimaud. Numa palestra com o título “Da Molécula ao Comportamento” mostrou-nos o seu trabalho sobre os mecanismos biológicos do comportamento social e em particular do comportamento de defesa materno. Falou-nos de ocitocina e da relação desta hormona com os comportamentos de defesa maternos em ratinhos. Aconselhamos este link para quem quiser saber mais sobre o seu grupo de investigação e os seus principais trabalhos publicados.

De mencionar também que a Dra. Marta Moita é fundadora da iniciativa “Reconnect” que em 2015 apoiou o programa de reunião de refugiados com as suas famílias.

Assistimos ainda à palestra “Da Neurociência à Relação”, proferida a duas vozes pela Prof. Isabel Soares, Presidente da Escola de Psicologia da Universidade do Minho, e pela Dra. Adriana Sampaio, Coordenadora do Laboratório de Neuropsicofisiologia dessa mesma Escola. Mostraram-nos os seus estudos sobre os efeitos da disrupção dos cuidados parentais no desenvolvimento da vinculação e falaram-nos também, entre outras coisas, de VIPP-SD (Video-feedback Intervention to promote Positive Parenting and Sensitive Discipline) e da relevância da disciplina sensível.

VIPP-SD é um tipo de VIG (Video Interaction Guidance) desenvolvida no século XX em Leiden, na Holanda. É uma forma de intervenção preventiva, usada com o objectivo de aumentar a sensibilidade e melhorar as estratégias de disciplina dos pais, para assim encorajar a interacção mais positiva entre pais e criança e prevenir ou reduzir problemas comportamentais em crianças entre os 1 e 5 anos. Esta brochura produzida pela equipa de Leiden tem mais informações sobre este tema.

E assim terminou esta primeira parte, mais dedicada às neurociências.

(continua num próximo post)

Anúncios